Quarentena dos idosos: “Fico muito sozinha, mas não poder sair deixa tudo pior" - Revista Esquinas

Quarentena dos idosos: “Fico muito sozinha, mas não poder sair deixa tudo pior”

Por Danielle Gracia Giao : agosto 14, 2020

Durante o mês de agosto, ESQUINAS traz relatos sobre idosos em isolamento social. O depoimento da aposentada Laila Danusia é a terceira reportagem da série

 “Queria ver meu bisneto, sinto falta da criançada e do barulho. Meus filhos fazem as compras para mim e deixam no hall. Nem vê-los eu posso direito, tem sido bem difícil.” Do quarto para sala, da sala para cozinha e às vezes da cozinha para sacada. Essa tem sido a rotina de Laila Danusia, 72 anos, desde o dia 12 de março. Com problemas no pulmão, ela tem evitado ao máximo se expor ao novo coronavírus. “Vou ficar em casa o tempo que for necessário. Não vou me arriscar”, afirma. 

Sua gata Estrela é sua única companhia nesses últimos tempos. Entre ligações com familiares, receitas novas e programas de televisão, Laila se distrai do jeito que pode. “As pessoas me ligam, mas sinto falta de vê-las como antes, às vezes vejo minhas netas e meus filhos pela sacada, quando eles passam aqui com as compras”. 

No começo tinha bastante medo da doença, principalmente pelo problema no pulmão que resultou em uma internação no ano passado. “Agora não tenho tanto medo já que não saio de casa e estou tomando todas as medidas necessárias. Mas no início, eu estava apavorada”, conta. Laila lava todas as sacolas de mercado, todos os produtos com água e sabão para evitar que fique tudo contaminado. “Coloco tudo em uma bacia com sabão, tem que se proteger, não é brincadeira! Até a gata quando foge, já dou logo um banho”.

As paredes da Dona Laila, assim como de muitos idosos, parecem fronteiras nesses tempos. Apesar de saber que é o necessário a ser feito, sente muita falta de ver o bisneto que acabou de nascer, fica triste de receber apenas vídeos. “Eu normalmente fico muito sozinha, mas o não poder sair torna tudo pior”.

Do quarto para sala, da sala para cozinha e às vezes da cozinha para sacada, essa tem sido a rotina de Laila e de muitos outros idosos.