O desafio de ocupar o poder - Revista Esquinas
REVISTA DIGITAL LABORATÓRIO
DA FACULDADE CÁSPER LIBERO

O desafio de ocupar o poder

Por Carina Vitral : junho 15, 2018

No momento em que o Brasil convive com um autêntico golpe institucional, que ameaça de forma concreta nossa democracia, é natural que haja uma crise de representatividade, uma crise profunda nas instituições. A consequência prática disso é que milhares de pessoas recorrem ao voto nulo ou à abstenção eleitoral, uma maneira de traduzir o descrédito na política. E isso ocorre justamente em um ano decisivo para nós brasileiros, pois em outubro serão realizadas eleições majoritárias, que podem, dependendo dos resultados, trazer o Brasil de volta aos seus melhores dias ou, então, mergulhar o país de vez no mais absoluto abismo institucional.

Dentro desse quadro é imprescindível questionar: qual renovação política nós queremos? Para a juventude, essa é uma questão central, pois cabe às lideranças jovens tentar reencantar a sociedade e devolver esperança no país. Entretanto, é necessário adotar cautela e não se deixar levar por falsas novidades. Esse cenário de incertezas é propício para que apareçam inúmeros movimentos que se intitulam como “o novo”, mas, na verdade, são donos de ideias antigas e anacrônicas.

Quando falamos em renovação no cenário político precisamos saber para onde queremos renovar. Não basta ser jovem, é preciso estar do lado das lutas do povo. O verdadeiro “novo” tem plataforma definida em favor do povo, está em defesa da educação pública, da distribuição de renda e dos direitos dos trabalhadores ao contrário de alguns movimentos que se dizem novos, mas não apresentam pautas que contemplem a maioria da população. Onde eles estavam quando milhares de pessoas foram para a rua contra o aumento das tarifas do transporte público em junho de 2013? Onde estavam no momento em que estudantes ocuparam escolas estaduais de São Paulo contra a reforma do ensino médio? A renovação real reúne pessoas que lutam para ocupar o poder e transformar o país.

Essa ocupação por parte da juventude precisa necessariamente objetivar a renovação e não a reprodução de velhas práticas. E dentro da nova política é fundamental colocar esse enfrentamento, desmascarar, de fato, quem defende medidas contra o povo. Hoje, são vários retrocessos que estão tomando conta do país, como a reforma trabalhista, que precariza ainda mais o trabalho da juventude.

O desemprego entre os jovens no Brasil atingiu, no fim de 2017, a maior taxa em 27 anos, com 30% das pessoas de 15 a 24 anos em busca de uma ocupação. As informações são do estudo “Tendências Globais de Emprego para a Juventude 2017”, divulgado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). A taxa brasileira é mais do que o dobro da média mundial, de 13,1%.

Outro dado significativo se refere à relação entre juventude, racismo e violência. Segundo números do Mapa da Violência, da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso), um jovem negro morre a cada 23 minutos no país. Por isso, é importante pensar que se a gente quer uma nação desenvolvida e com melhor qualidade de vida para todas e todos não se pode permitir que se perca boa parte da juventude, que poderia contribuir para o desenvolvimento social, por conta da violência.

A política deve ser renovada pelos jovens para aprofundar a democracia. A juventude chegando ao poder representa a mudança das formas de se fazer política, não como pretensas novas faces que dizem querer renovar, mas na verdade representam o velho. Acredito que o Estado tem de ser forte para gerir os recursos estratégicos do país, como exploração do pré-sal, petróleo, defesa da Amazônia, entre outros. Atualmente, o que observamos é que alguns instrumentos do Estado, como o Ministério Público, a Polícia Militar e a Polícia Federal se voltam contra a população, inclusive, exterminando a juventude negra e indo contra os movimentos sociais.

Na realidade, o Brasil vive uma democracia frágil. A prova é que nos anos pós-ditadura, dos quatro presidentes, apenas dois concluíram o mandato. O país não é acostumado à democracia. A verdadeira reforma política depende do combate à corrupção e deve, necessariamente, aproximar a política da população, especialmente da juventude. A reforma deve passar pelo debate de ideias e propostas. A classe política desempenha uma função mais importante do que somente disputar eleições. Deve discutir um projeto de nação e organizar o povo. E para isso a juventude tem uma importância preponderante.

 

* Carina Vitral é ex-presidenta da UNE, presidenta da UJS, foi candidata à prefeita de Santos e hoje é pré-candidata à deputada estadual Partido Comunista do Brasil (PCdoB)

 

Este artigo não reflete o posicionamento de ESQUINAS ou da Fundação Cásper Líbero.