“Vingadores: Ultimato” encerra 11 anos de Universo Marvel - Revista Esquinas
REVISTA DIGITAL LABORATÓRIO
DA FACULDADE CÁSPER LIBERO

“Vingadores: Ultimato” encerra 11 anos de Universo Marvel

Por Raphael Araujo Barboza : abril 27, 2019

O clímax da saga entrega história emocionante e cenas de tirar o fôlego dos fãs

Se entre os anos 1940 e 1970 os filmes predominantes e mais populares de Hollywood pertenciam ao gênero western, hoje são os filmes de super-heróis que comandam o mercado. Até abril de 2019, foram lançados quatro longas ambientados nos universos das editoras Marvel e DC. Outros quatro estão programados até dezembro. Dentre os já lançados, Capitã Marvel se destaca com uma arrecadação total estimada em mais de um bilhão de dólares para o final de sua exibição e é a quinta maior bilheteria no Brasil. Mas ontem (25) estreava a maior produção de todos os tempos desse gênero: Vingadores: Ultimato. Em um único dia, o filme faturou mais de 200 milhões de dólares.

A quarta sequência dos time de heróis da Marvel ocupou 80% das salas de cinema e é a culminação de 22 filmes conectados entre si, lançados ao longo de 11 anos. Ultimato é o clímax do Universo Cinematográfico da Marvel, que desde a estreia do primeiro longa, o Homem de Ferro de 2008, foi se construindo e consolidando seus fãs. Após Os Vingadores em 2012 mostrar que é possível juntar vários filmes em apenas um de forma coesa e Vingadores: Guerra Infinita colocar todas as suas histórias em cheque ano passado, Ultimato chega para finalizar a saga com chave de ouro. É o epílogo de algo planejado cuidadosamente e com muito carinho – mesmo que alguns elementos do roteiro ponham dúvidas e teorias na cabeça de fãs mais atentos.

O poster bombou nas redes sociais e trouxe os heróis sobreviventes em Ultimato, além do próprio vilão Thanos
Divulgação / Marvel Studios

Começando praticamente do ponto em que seu antecessor termina, o longa não demora para nos mostrar o estado emocional de seus personagens, que ainda não superaram a derrota e a perda de seus entes queridos pelas mãos do vilão Thanos. O luto está presente em toda a produção, revelando como os heróis tentam lidar com esse sentimento, além da sensação de culpa e fracasso que se auto atribuem.

Mesmo o grupo sendo composto pelos heróis mais poderosos da Terra (e alguns do universo inteiro), a humanização é bem-feita, pois suas falhas e características negativas sempre estão embasadas em tela. Até quem está longe de ser humano ali apresenta características similares a um. Entretanto, algo é nítida: todos ali são heróis, no estilo mais clássico que a palavra possa ressoar em nossas mentes. Eles têm um grande objetivo em comum: ajudar aqueles que precisam – e se não salvarem, pelo menos vingá-los.

Scartlett Johansson, que interpreta a Viúva Negra, afirmou em entrevistas que sua personagem procura por respostas e não quer deixar um trabalho incompleto
Reprodução / Marvel Studios

O filme passa uma sensação de ser mais lento que seus antecessores, pois o foco na história, nos diálogos e no contexto é maior. Mas não deixa de ser interessante. Muito pelo contrário, a cada momento somos surpreendidos, sem sabermos qual caminho o roteiro seguirá, deixando nossos olhos atentos a toda cena à espera do próximo passo. Há também um sentimento de auto-homenagem por trás das três horas de duração de Ultimato, o que nos lembra o fim de uma era.

Apesar do menor número de cenas de ação, a principal delas ocupa boa parte do tempo do filme e só cresce conforme se desenrola, capaz de tirar o fôlego de qualquer um que esteja familiarizado com o Universo Marvel. Fan services e referências são entregues aos montes, mas não de maneira que pareçam brindes gratuitos e aleatórios, o que permite que momentos similares às histórias em quadrinhos aconteçam de maneira orgânica e fluída. Afinal, a popularização da cultura pop se deve, em partes, a esses filmes.

Tony Stark (Robert Downey Jr.) precisa voltar para a Terra e se juntar novamente aos Vingadores ao lado de Nebula (Karen Gillan)
Reprodução / Marvel Studios

O bom humor – característica dos longas da Marvel – não se intimida pela atmosfera de luto e sofrimento. Ele se faz presente na dosagem correta e com os personagens cuja construção se deu baseada nesse aspecto. Temos um equilíbrio entre comédia e drama, a aventura como ela deve ser. “Emoção” é a palavra que mais descreve o filme, seja pelas piadas, pela dor dos heróis, pela ansiedade em assistir à próxima cena ou pela despedida desse universo como o conhecemos. Vingadores: Ultimato não só é o melhor filme da Marvel Studios, como também é o melhor de super-heróis lançados até agora, o mais “quadrinhos” que foi feito.

Ficha técnica:

Vingadores: Ultimato (Avengers: Endgame) – EUA, 2019
Direção: Anthony Russo, Joe Russo
Roteiro: Christopher Markus, Stephen McFeely
Elenco: Bradley Cooper, Brie Larson, Chris Evans, Chris Hemsworth, Jeremy Renner, Josh Brolin, Karen Gillan, Mark Ruffalo, Paul Rudd, Robert Downey Jr., Scarlett Johansson e Tessa Thompson
Duração: 181 min