Cores do anonimato - Revista Esquinas
REVISTA DIGITAL LABORATÓRIO
DA FACULDADE CÁSPER LIBERO

Cores do anonimato

Por Yasmin Luara : setembro 25, 2018

Artista anônimo inaugura grafite que ocupa 13 andares de um prédio na República

Inaugurado oficialmente no dia 20 de agosto e localizado no Centro de São Paulo, o grafite “O Caçador de Rosas” mostra um garoto que come um pote das flores cercado por um mar de espinhos. A pintura foi inspirada em um menino real de 10 anos, chamado Dudu Alves, que dança como Michel Jackson na Praça da República e já se apresentou no palco aberto da Fiesp, na avenida Paulista.

“O Caçador de Rosas”, novo grafite de BiP, no Centro de São Paulo
Yasmin Luara

O autor é um grafiteiro anônimo estadunidense, o BiP, abreviação para Believe in People. Para ele, o grafite tem um significado especial. “Ele carrega a mensagem de que a vida não é apenas sobre comer as rosas, mas sim comê-las aguentando os espinhos. Escolhi Dudu como modelo porque acredito que, mesmo sendo novo, ele já entendeu isso”.

Como parte da inauguração, BiP realizou um evento, anunciado em seu Instagram, para presentear moradores e trabalhadores da região, pessoas que acompanharam seu projeto de início ao fim – cerca de quatro meses de trabalho. No evento, o artista apareceu no telhado próximo à pintura e sorteou entre as pessoas presentes um par de telas pintadas que se completam. Depois, formada uma fila na porta do prédio que recebeu o grafite, foram distribuídas 40 latas de spray assinadas pelo grafiteiro.

Cerca de 50 pessoas compareceram ao evento para acompanhar a arte de BiP
Yasmin Luara

As cerca de 50 pessoas que formavam o público começaram a chegar por volta das 17h, e o evento estendeu-se até as 20h. “Foi muito legal acompanhar todo o trabalho dele. A gente ficava fazendo apostas para ver o que ia ser, se era uma menina, ou menino, uma índia talvez. Isso faz a gente se sentir parte do processo todo”, disse uma moradora da região, que consegue ver o grafite da janela de seu apartamento.

BiP conta que é justamente essa sua intenção. “Minhas obras são para o público, para quem passa por ali todos os dias. Eles são meus chefes. Sempre que faço um grafite, tento deixá-lo próximo dessas pessoas”, relata o artista.

O grafiteiro BiP assinando latas de tinta depois do evento
Yasmin Luara

O mural de 2.025 metros quadrados é o maior feito por uma única pessoa na cidade de São Paulo neste ano. “O centro precisa de coisas assim”, disse outro morador. “Aqui tem pouca obra de arte. Uma coisa dessas melhora o dia a dia corrido que a gente tem”. O prédio cuja parede foi grafitada fica localizado na rua Vitória, 395, mas o desenho pode ser visto da avenida Rio Branco, 450. Para ser realizada, a obra consumiu 40 litros de tinta acrílica e 500 latas de spray.