“Quando você enfraquece a cultura de um povo, você enfraquece esse povo”, diz autor de Cidade de Deus - Revista Esquinas

“Quando você enfraquece a cultura de um povo, você enfraquece esse povo”, diz autor de Cidade de Deus

Por Laila Argenti : maio 18, 2021

Paulo Lins, autor do livro que deu origem ao filme, fala sobre sua trajetória, racismo no Brasil e critica ações do governo

“Hoje eu vivo de escrever e não é fácil”, diz Paulo Lins, autor da obra Cidade de Deus, em entrevista ao Centro Acadêmico Vladimir Herzog (CAVH) da Faculdade Cásper Líbero. Durante a live, que ocorreu na última quinta-feira, 13 de maio, o autor contou sobre sua carreira, além de expressar sua indignação com questões sociais, como o sucateamento das universidades públicas e a ação policial no Jacarezinho.

O escritor descreve sua trajetória na faculdade de letras, que cursou na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com destaque para a poesia independente, gênero com o qual ele sempre teve maior proximidade. Foi por meio de uma pesquisa de doutorado que surgiu o livro Cidade de Deus. Um poema de Lins chegou até o crítico literário Roberto Schwarz, que tinha o objetivo de incentivar a escrita de um romance com o olhar íntimo e sensível do autor sobre o cenário da criminalidade.

Racismo no País

O autor cita a importância da luta contra o racismo no Brasil. Como a população que vive na favela é majoritariamente negra, essa parcela da sociedade alcançou as vagas na universidade por meio do ensino público dessas instituições. Foi através delas que Lins conseguiu mudar de classe social. O escritor se posiciona à esquerda e diz que busca uma sociedade igualitária com acesso a direitos básico. Reforça o surgimento e a popularização dos movimentos sociais que deram voz a grupos que sofrem com o descaso governamental.

“O macho adulto branco sempre no comando”, critica o autor, parafraseando Caetano Veloso. Lins acredita que é necessária a militância das vozes que são ouvidas pela sociedade, de forma não protagonista, para que o movimento social alcance os mais variados públicos.

Chacina no Jacarezinho

Ele critica a violência policial contra a população periférica, em especial a operação policial na favela do Jacarezinho, em 6 de maio, que oficialmente tinha o intuito de conter o tráfico de drogas, mas acabou sendo a mais letal da história do Rio de Janeiro. “A polícia no Brasil é assassina, a polícia no Brasil não presta e eu não sei quando isso vai mudar”. Comparando a chacina com o conflito entre Israel e Palestina, ele afirma: “Lá é uma guerra declarada e morreram 80 pessoas. Aqui no Brasil, que não tem uma guerra declarada, morreram 27 semana passada”.

Para o escritor, o cerne da questão é a escravidão: “Países que têm desigualdade social, pelo menos no ocidente, tiveram escravidão e extermínio de indígenas. Os países continuam pagando por isso”. Segundo ele, as economias modernas de países imperialistas tiveram como base o tráfico de escravos. Com o início da revolução industrial surge outro tipo de economia, mas a base dessa riqueza foi formada pelo sofrimento da escravidão em países colonizados, como o Brasil.

Autor critica governo

Lins contesta a propaganda negacionista realizada pelo governo em meio a uma pandemia e a falta de investimentos à cultura e à ciência: “Eu nunca pensei que isso fosse acontecer no Brasil”. Um ano após a posse do atual presidente, o ministério da cultura foi extinto, sendo anexado, juntamente com suas atribuições, ao ministério da cidadania. Em 2020, foram cortados 3,6 milhões de reais do orçamento da Secretaria da Cultura.

Veja mais em ESQUINAS

“Dilma juntou a cal, Temer botou a pá e Bolsonaro deu o tiro de misericórdia”, diz Marina sobre política ambiental

Cinemas de rua: um retrato da resistência

Como criar um negacionista: especialistas explicam de onde vem o fenômeno que se fortaleceu na pandemia

“Quando você enfraquece a cultura de um povo, você enfraquece esse povo”, diz Paulo Lins. Ele está escrevendo uma série sobre a anulação da cultura dos povos escravizados ao chegar ao Brasil, desde a proibição do uso da sua própria língua e religião à guerra.

Para Paulo Lins, “o governo tem como ideal a precarização da educação com o intuito de manter a população alienada”. As universidades públicas são um dos maiores focos de pesquisa do País, além de possuírem acervos, museus, hospitais escola e outras entidades que fazem parte das instituições.

Para assistir à entrevista na íntegra, clique aqui.

Encontrou um erro? Avise-nos.