5 grifes de luxo que mesclaram moda e Copa do Mundo em 2022 - Revista Esquinas

5 grifes de luxo que mesclaram moda e Copa do Mundo em 2022

Por Ana Beatriz Hoffert, Fernanda Viana, Giulia Zerbinato, João Pedro Gadelha, Júlia Polo, Mariana Hummel, Melissa Carraro e Pedro Consoli : dezembro 17, 2022

Grifes que ditam o mundo da moda surfaram na onda do evento esportivo para lançar coleções temáticas; confira algumas das coleções mais marcantes

Historicamente, a moda sempre flertou com esportes de elite, como a vela, tênis, golf e hipismo – com o maior exemplo sendo os icônicos estábulos da italiana Gucci. Porém, nos últimos 5 anos, um esporte muito mais popular tomou os holofotes do mundo fashion: o futebol.

Para além das camisetas de time, chuteiras coloridas ou cortes de cabelo de jogadores que marcaram gerações – quem lembra do moicano do Neymar? -, o futebol está roubando a cena na moda. principalmente em anos de Copa do Mundo, como em 2014 e 2018. É nessa época que as grifes voltam seus olhares para o público que torce incansavelmente pelo seu país e que, mesmo assim, preza pelo estilo e exclusividade.

Como explica Harry Ciotto, criador de conteúdo de moda no Instagram e no Tik Tok – que já alcança mais de 220 mil seguidores nas redes -, esse mercado fashion mais esportivo, que se afasta das bolhas de extremo luxo e flerta com as atividades rotineiras, vem aumentando desde 2020. Isso porque, nas últimas temporadas de moda, vimos como a categoria tem saído de seus espaços propriamente ditos, como as arenas de jogos ou até mesmo a periferia – área que sempre formou craques e se manteve ligada ao esporte -, e invadiu as passarelas e eventos ligados a moda.

Peças em couro do lançamento da Louis Vuitton
Foto: Divulgação

Neste ano, algumas grifes já entraram na onda. A Louis Vuitton, famosa empresa francesa, lançou em 2022 uma coleção de cinco acessórios de couro, sendo eles uma mala, uma necessaire, duas bolsas e uma carteira – nelas, o monograma característico da marca dá lugar a linhas que representam o movimento da rede no momento do gol.

A Balenciaga, polêmica casa de moda fundada na Espanha, também aproveitou o momento para anunciar uma colaboração com a Adidas de uma linha de camisetas de futebol, chuteiras e uniformes.

Para inspirar o visual para a Copa do Mundo 2022, que tal relembrar 5 grifes de luxo que já mergulharam nesse universo e espiar as peças lançadas nos últimos anos? Conheça:

Louis Vuitton moda

Desde 2010, a Louis Vuitton vem colaborando com a FIFA de forma a unir cada vez mais o mercado da moda com o futebol. Curiosamente, no entanto, essas parcerias passavam bem longe dos manequins ou das passarelas.

Nas últimas quatro edições do torneio, incluindo a deste ano, a gigante francesa foi responsável por desenhar as malas onde o cobiçado troféu da Copa do Mundo é carregado. Com o passar do tempo, a coleção foi ficando cada vez mais ampla, e deixou de ser exclusiva para a taça.

Como todas as encomendas especiais feitas à Louis Vuitton, os baús são confeccionados no ateliê original da marca em Asnières, na França, em atividade desde 1859. A caixa feita em 2010 abria tanto pela frente quanto pelo topo, facilitando a remoção da taça. Além disso, havia também um compartimento especial para guardar luvas brancas, feitas especialmente para impedir que impressões digitais contaminassem o visual impecável do troféu.

Um dos baús produzidos pela grife Louis Vuitton
Foto: Divulgação

O baú de 2014 foi bem semelhante ao da Copa do Mundo anterior, ainda mostrando o característico monograma da casa francesa. Em 2018, no entanto, a grife também fez um enorme baú para carregar as 14 bolas já utilizadas na história do torneio até então.

Nike x collabs

Em junho de 2018, poucos dias antes do início da Copa do Mundo da Rússia, a Nike anunciou uma parceria com os designers Virgil Abloh, que na época assinava a direção criativa de sua marca própria Off-White, e Kim Jones, nome à frente da coleção masculina da Dior e da Fendi.

Na ocasião, Virgil afirmou ter sido inspirado pela forma como as equipes européias carregavam um patrocinador estampado no peito, buscando celebrar as diferentes variantes da tipografia em sua coleção Nike X Off-White.

Peças da coleção Nike + Virgil Abloh
Foto: Divulgação

Já a coleção assinada por Kim Jones teve como ponto de partida os princípios da época punk. Um dos principais itens da coleção Nike X Kim Jones é o modelo híbrido de seus tênis favoritos da marca: Footscape, Vandal e Air Max 97. Peças de roupa baseadas nos uniformes britânicos dos anos 1970 e 1980 também entraram para a coleção.

Peças da coleção Nike + Kim Jones
Foto: Divulgação

Além disso, a Nike também buscou collabs voltadas para os jogos do ano seguinte, em homenagem à Copa do Mundo de Futebol Feminino de 2019. A marca se juntou com quatro mulheres protagonistas no estilo streetwear para criar uma coleção que celebrasse a presença feminina no futebol, e nomes como Marine Serre e Yoon Ahn — fundadora da marca de roupas e acessórios AMBUSH — entraram para a parceria. As designers criaram modelos de camisetas de futebol de acordo com sua estética particular.

Veja mais em ESQUINAS

De símbolos nacionais a itens de colecionador, camisas de seleção entram na moda dos jovens

Fast fashion: por que os preços são tão baixos?

Dos tatames ao Instagram, Gabrielle Tairini relata sua trajetória com o brechó Wild Tropical

Dolce & Gabbana

Também surfando na onda do momento, a marca italiana Dolce & Gabbana criou uma coleção celebrativa durante a Copa do Mundo de 2018. O país sede da competição, a Rússia, foi o tema das peças.

Entre os itens da coleção estavam camisetas, calças, agasalhos, tênis, bonés e bolsas que eram comercializados exclusivamente nas lojas da D&G de Moscou e São Petersburgo. Monumentos das duas cidades, assim como as cores do país, estavam estampados nas roupas e acessórios assinados por Domenico Dolce e Stefano Gabbana.

Os preços variavam entre 19.350 rublos e 54.200 rublos, cerca de 1.161 reais e 3.252 reais, respectivamente, na época.

Entretanto, essa não foi a única vez que a grife italiana se aproximou do mundo da bola. A ligação começou em uma campanha de cuecas, em 2006, estrelada pelos craques Andrea Pirlo, Gianluca Zambrotta, Fabio Cannavaro e Manuele Blasi – jogadores da seleção italiana da época.

Logo depois, na Copa do Mundo daquele mesmo ano, a Dolce & Gabbana assinou os looks de viagem da delegação italiana. A marca vestiu os jogadores com ternos, gravatas de seda e agasalhos predominantemente azul escuro. Além disso, os acessórios tinham detalhes rosa claro e o emblema institucional foi costurado sobre o peito dos jogadores nas cores da bandeira da Itália – vermelho, branco e verde.

Parceria entre Dolce & Gabbana e Itália na Copa do Mundo de 2006
Foto: Divulgação

A parceria continuou nas Copas da África do Sul e do Brasil. Em 2014, na Casa Azzuri – quartel general da seleção da Itália, que foi montado dentro de um resort em Mangaratiba, no Rio de Janeiro -, a D&G lançou um livro em que os jogadores italianos eram modelos e apareciam com os trajes oficiais criados para aquela Copa. Craques como Andrea Pirlo e Mario Balotelli apareceram usando a coleção com peças estruturadas: terno com três peças e gravata com listras nas cores da bandeira; e camiseta, jaqueta de nylon, trench coats e calças.

A ligação com o futebol já rendeu até um processo contra o duo de estilistas.

Durante uma ação da Dolce & Gabbana, em julho de 2016, uma das modelos da marca desfilou nas ruas de Nápoles usando uma camisa semelhante à do clube da província com o nome de Maradona em cima do clássico número 10. O ídolo argentino parece não ter gostado da referência e acusou a grife de usar sua imagem para exploração comercial sem sua autorização.

A D&G argumentou dizendo que se tratava de uma homenagem ao ex-jogador do time, mas foi condenada a pagar uma indenização de 70 mil euros a Dieguito.

Desfile de comemoração dos 30 anos da marca  Dolce & Gabbana, em 2016
Foto: Divulgação

Calvin Klein

Em clima de Copa, a Calvin Klein lança sua coleção para o maior evento de futebol do mundo. Todavia, a grife optou por uma pegada mais popular e dedicou o uniforme de torcida à coleção underwear, composta por cuecas (R$ 79) e camisetas básicas (R$ 119), mas com muito estilo.

Suas peças são estampadas com as cores, bandeiras e nomes das seleções participantes da Copa do Mundo de 2018. Além disso, também conta com números na parte de trás das camisetas, já que tem como inspiração o uniforme dos jogadores. Os ítens podem ser encontrados em todos os tamanhos (de infantil a adulto), sendo uma coleção ideal para toda a família.

Cueca da Calvin Klein Underwear para a Copa do Mundo de 2018
Foto: Divulgação

A grife aposta em algo que envolva filhos e pais e sirva como motivação para assistirem aos jogos juntos e uniformizados, assim como os jogadores. Apesar de roupa íntima não ser novidade para a marca, a Calvin Klein inova ao trazer uma temática para suas peças, principalmente com o propósito desportivo e unificador que é a Copa do Mundo. Entrar na onda da torcida faz com que a marca sempre esteja com o público, principalmente no Brasil, país onde os torcedores vestem não só a bandeira, mas a cueca da seleção.

Camiseta da Calvin Klein Underwear para a Copa do Mundo de 2018
Foto: Divulgação

Versace moda

Durante a Copa do Mundo de 2014, a grife italiana Versace pegou carona com o mundial da Fifa e lançou uma das camisetas mais caras da história dos mundiais. A Copa havia sido realizada no Brasil e, em homenagem ao país, a peça foi chamada de “Versace ama o Brasil”, contando com diversas referências à cultura brasileira.

A camiseta, de mangas curtas e aparentemente simples, dividiu opiniões no mundo da moda — custando aproximadamente R$1.500,00 na época em que foi lançada. Para adicionar luxo,  correntes de ouro e estampa de leopardo estão presentes, assim como o glamour da silhueta dos jogadores em conjunto ao espírito brasileiro representado no carnaval.

Camiseta “Versace ama o Brasil”
Foto: Divulgação

A grife italiana inovou e surfou na onda do momento para faturar. Não se sabe se a camiseta inédita de fato rendeu boladas de dinheiro — mas com certeza se tornou uma das mais caras da história até então.

Editado por Anna Casiraghi

Encontrou algum erro? Avise-nos