REVISTA DIGITAL LABORATÓRIO
DA FACULDADE CÁSPER LIBERO
Sumário Fechar
Por Beatriz Fialho Edição #61

Antidepressivo poderoso

Correr pode ser um importante passo no tratamento de doenças psicológicas

É cada vez mais comum ouvir histórias de pessoas que, durante um tratamento psicológico, acrescentaram em suas rotinas diárias exercício físico, sendo a corrida a mais popularmente indicada pelos médicos para auxiliar na recuperação de doenças como depressão que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais afetará a população mundial nas próximas duas décadas.

Para aqueles que se sentem desestimulados ou não gostam de correr sozinhos, a prática em grupo é uma excelente opção. Em São Paulo, muitos grupos de corrida voltam sua atividade para o trabalho coletivo. É o caso do Projeto Vida Corrida, que nasceu para incentivar mulheres e crianças a se movimentarem e, unidas, combaterem os sintomas de doenças psicológicas e reforçarem os laços familiares.

A fundadora do Projeto, Marineide dos Santos, decidiu se engajar na corrida após sofrer com a morte de seu esposo, assassinado por policiais militares. Depois da perda, com apenas 18 anos de idade, Santos se envolveu com mulheres da comunidade que buscavam a oportunidade de praticar algum esporte na região do Capão Redondo, na zona sul da capital paulista. Anos depois, seu filho mais velho foi assaltado e morto por um menor de 14 anos. Foi então que a corredora decidiu estender seu projeto às crianças.

O Projeto Vida Corrida ajuda mais de 350 pessoas no bairro e conta com uma rede de profissionais e colaboradores que mantém o projeto em movimento. Os treinos ocorrem no Parque Santos Dias, em horários pré-determinados. Os adultos podem treinar de segunda a sexta, às 7 horas. Já as crianças podem participar as segundas, quartas e sextas-feiras, às 8 e às 15 horas. Em 2016, o Vida Corrida ganhou o 21º prêmio Cláudia, na categoria de Trabalho Social. Ao receber a homenagem, Marineide dos Santos concluiu que tinha “todos os motivos do mundo para se tornar uma pessoa rancorosa”, mas que havia decidido mudar os rumos de sua própria vida.

As doenças psicológicas ainda são muito estudadas por não serem doenças pontualmente tratáveis. Por exemplo, para tratar a garganta inflamada sabese que tem que combater a bactéria que causou a inflamação. Mas ainda é difícil para a medicina definir o que, exatamente, causam transtornos psicológicos. O médico e autor do livro Correr, Drauzio Varella, explica em sua obra como a corrida o ajuda a lidar com a ansiedade e com o estresse diário, além de ser um “antidepressivo poderoso”.

Um estudo da Universidade Southwestern, no Texas, também mostrou que a corrida pode ser muito eficaz no tratamento dessas doenças. A pesquisa concluiu que pessoas que praticaram corrida durante 30 minutos, de três a cinco vezes por semana, tiveram uma redução de 47% dos seus sintomas depressivos, após três meses.

Segundo Varella, isso acontece porque correr, assim como praticar qualquer exercício físico, libera no sangue uma bomba de hormônios que geram aquele sentimento agradável comumente conhecido como “sensação de dever cumprido”. Serotonina, endorfina, dopamina e outros hormônios atuam no sistema nervoso central e são os responsáveis por essa sensação de prazer e relaxamento.

Outra vantagem da corrida é a relação com o ambiente externo e a possibilidade de melhorar o convívio social. “Não tenho paciência de ficar na academia e vou pra rua!”, conta Carmen Silvia, de 34 anos. Após mais de dois anos de crises de depressão, Silva encontrou no exercício físico um “escape para evitar tudo o que já passei”. A nova corredora também mantém uma alimentação saudável e, incluir a corrida no tratamento, ajudou na perda de peso – até agora já emagreceu 17 quilos com os exercícios.

Além do Vida Corrida, existem outros grupos de corrida abertos para a população da capital paulista. Para conhecer os grupos que atuam nas diversas regiões de São Paulo, é necessário procurar por um parque próximo e se informar sobre os horários daqueles grupos regulamentados, que são identificados com camisetas, bonés e horário fixo. Outra opção é ficar atento aos eventos nas mídias sociais. É comum que muitos grupos de corrida organizem eventos e disparem convites pelo Facebook.