REVISTA DIGITAL LABORATÓRIO
DA FACULDADE CÁSPER LIBERO
Sumário Fechar
Por Paula Leal Edição #62

Mito ou verdade?

A moda da água alcalina divide a opinião de pesquisadores e profissionais da saúde

O consumo de dois litros diários de água é recomendação conhecida de quem se preocupa com a saúde. Afinal esse líquido não apenas hidrata, mas também funciona como um nutriente para o organismo. Há aproximadamente três anos, além das características que toda boa água deve ter – insípida, inodora e incolor, um outro indicador está ganhando a atenção da galera antenada em novidades “fit”: o pH ou potencial hidrogeniônico.

Uma água se diferencia de outra pelo teor de sais e diversos elementos como cálcio, magnésio e potássio. O pH é uma escala logarítmica que mede o grau de acidez, neutralidade ou alcalinidade de determinada solução. A escala de pH varia de 0 a 14, sendo que o valor mínimo 0 corresponde a acidez máxima, o valor 14 significa que a solução é altamente alcalina/básica e a neutralidade é representada pelo pH = 7.

O nutrólogo Lair Ribeiro é um grande defensor do consumo de água alcalina no Brasil. “95% dos casos de câncer só se desenvolvem em ambientes ácidos. Ao ingerir água alcalina, você contribuiria para manter o organismo com um pH básico”, afirma. A blogueira fitness Gabriela Pugliese, com mais de 3,5 milhões de seguidores, postou em seu blog um artigo da nutricionista Daniella Horn recomendando o consumo de água alcalina. A blogueira preferiu não se manifestar sobre o asssunto. Thalita Posella, frequentadora de academias cinco vezes por semana, conta que um dos cuidados que tem com a saúde é a escolha de uma água de qualidade. Incentivada por amigos e por sua nutricionista, ela é adepta do consumo de água alcalina há quatro anos e desde então se diz mais disposta e com energia. “Quando tomo uma água muito ácida meu estômago não reage bem”, acrescenta Posella.

“O sangue humano apresenta um pH em torno de 7,35 e 7,45. Beber água com um pH acima de 7, ou seja, alcalino, é essencial para o bom equilíbrio da acidez sanguínea”, diz Horn em seu artigo. E explica que o consumo de água alcalina ajuda a neutralizar os efeitos do consumo de alimentos ácidos, contribuindo para a redução dos sintomas de distúrbios digestivos.

Além disso, quem defende a bandeira da água com pH acima de 7 garante que os benefícios são muitos, desde que ingerida diariamente na quantidade adequada: possui propriedades digestivas, ajudando a prevenir problemas gástricos; aumento da imunidade, uma vez que vírus e bactérias precisam de um meio ácido para sobreviver. Um estudo publicado em julho de 2016 pela biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos revela a redução de um melanoma em ratos após a ingestão de água alcalina. Os cientistas autores do experimento concluem o trabalho dizendo que o teste pode ser considerado uma nova abordagem para esse tipo de doença.

No time dos descrentes, que acreditam que a tendência da água alcalina é pura estratégia de marketing, Rogério Felisoni, presidente do Controle Hídrico de São Paulo (Cohesp), condena a recomendação de consumo de água com pH alcalino promoção da saúde. “Essa informação é absurda, mentirosa e sem nenhum fundamento. O ambiente estomacal de uma pessoa normal tem pH na faixa de 2,5 a 3,0 quando se toma água com pH alcalino a sua influência sobre o pH do estômago é praticamente nenhuma em razão da ‘força’ do ácido estomacal”, afirma o engenheiro no blog da Cohesp.

Para Tarissa Petry, endocrinologista no Hospital Alemão Oswaldo Cruz, “nenhum estudo científico em seres humanos demonstrou um benefício real do consumo de água alcalina para a saúde”. Para a médica, o organismo tem muitos mecanismos para a manutenção de um pH adequado através dos rins e da respiração, por exemplo, não havendo necessidade de consumir água alcalina para isso.

De acordo com o responsável pelo departamento de qualidade da água da Sabesp, identificado na resposta por Facebook apenas como responsável pelo departamento de qualidade da água, “o parâmetro do pH não tem nenhuma significância sanitária, por isso não é exigido na legislação que define a potabilidade da água, conforme a Portaria 2914/11. O que existe é uma recomendação de que o pH esteja entre 6,0 e 9,5 no ponto de entrega”.

Existem águas que naturalmente são alcalinas, ou seja, nascem direto da fonte e apresentam um pH maior que 7. Filtros especiais também podem ser encontrados no mercado para tornar a água alcalina, por processo de ionização (reação química que ocorre entre as moléculas de água, separando-as em ácidas e alcalinas). Sem consenso na comunidade científica, o assunto segue dividindo opiniões.